Cantos do ChA

Chicco Assis assume a Coordenação do Espaço Cultural Barroquinha

Chicco Assis assume Coordenação do Espaço Cultural Barroquinha

Clipping: Coluna Vip | Jornal Correio | 20/3/2015

Anúncios

março 24, 2015 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Noite vaga

Noite vaga

Notívago
Em noite vaga
Vago a noite
Pelos sonhos
Velados
De quem
Vagamente
Adormece
Os sonhos
Dessa minha
Revelada
Mente vaga

dezembro 26, 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Sonho real

Coisa boa é dormir e amanhecer

ao lado de uma realidade

chamada sonho.

setembro 19, 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Eu’s e tu’s em mim

Hoje amanheci com saudades do que ainda não vivi. Sim… Com lembranças do futuro projetado no mais que perfeito pretérito da minha existência. Tinha lágrimas, mas não chorei. Comigo, sorri de mim mesmo. Havia em mim muitos eu’s e tantos tu’s. Sim… Já havia deixado de ser só um eu. Mas ainda não eram nós. Apenas um mim, aqui e agora, de eu’s e tu’s. Enquanto isso, tempo passou. E lá, fora de nós, se põe o sol.

junho 25, 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Brio da Paixão

Vem

do brio

da paixão

o inebriar

do ser

rio

do prazer

estonteante

equilíbrio

Vem

me dar

à razão

puras emoções

no ofuscar

cintilante

das carícias

e travessuras

de lábios

umectados

Vem

me revira

os olhos

pêlos eriçados

me provoca

em mim

se atira

me tira

de mim

me deixa

sem ar

se vai

E na volta

simplesmente

me faz

eu

recomeço

janeiro 18, 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Do Bonfim, o Começo

Era quinta

e tinha feira

na rampa

do Mercado

carroça

enfeitada

sem jegue

na porta

da Conceição

parada

de renda

do céu

chuva

de água

de cheiro

nas quartinhas

flores

baianas

de Oxum.

Era dia

do Bonfim

E a noite

me revelou

um bom

começo.

janeiro 15, 2011 Posted by | Uncategorized | , | Deixe um comentário

Eu, Milton Nacimento, meu

 

V Mostra da Escola Baiana de Canto Popular - por Lara Lins

Adorei cantar com/para amigos na V Mostra da Escola Baiana de Canto Popular. Fui tão bem recepcionado,  já no final da noite, com tanto carinho e com tanta vibração que não tive escolha a não ser devolver essa energia pra vocês em forma de canção.
Ter escolhido Milton Nascimento, ter escolhido Raça e Fé Cega Faca Amolada e ter sido escolhido para encerrar a noite, trouxeram uma responsabilidade muito grande e uma necessidade/ vontade de dar o melhor de mim. O poema “Quero ser tambor” do maior poeta moçambicano, José João Craveirinha, chegou, já na reta final, para arrebatar das profundezas do meu “eu” musical a minha essência, a minha origem, a minha ancestralidade. E acabou latejando a minha veia rock(eira) que nem mesmo eu sabia que existia.
Meus sinceros agradecimentos à Ana Paula Albuquerque, por me ensinar não apenas a cantar, mas a ser um cantor. Ao Paulo Mutti pelos arranjos belíssimos e pela dedicada direção, também pela paciência, dedicação, puxão de orelha e outras pirações. Aos músicos Alexandre, Mateus e Vitor pelo suor e por vestirem a camisa. A Lara Lins pelos clicks nervosos e precisos. Aos que presenciaram o meu momento Raça e me deram energia para “bate-cabelo”, em Fé Cega, Faca Amolada. Aos que chegaram até a porta e não conseguiram entrar. Aos que nem foram. E aos que nem souberam. Muito, muito, muito obrigado!

V Mostra da Escola Baiana de Canto Popular - por Lara Lins

V Mostra da Escola Baiana de Canto Popular - por Lara Lins

V Mostra da Escola Baiana de Canto Popular - Por Lara Lins

Até junho, atendendo aos incentivos da professora, sai meu primeiro show solo. Já tem nome e tudo: Paixão! E Fé!!! Aguardem! Parte do repertório será com as canções que fiz ao longo da minha história na EBCP, compositores como Baden Powell, Batatinha, J Velloso, Mateus Aleluia, Milton Nascimento, Roque Ferreira, Sérgio Pererê, Vinícius de Moraes. A outra parte, ainda está para ser definida. Aceito sugestões!!!

janeiro 13, 2011 Posted by | Uncategorized | , | Deixe um comentário

V Mostra de Canto Popular

No próximo dia 12/01 (QUARTA), às 20h, no Teatro SESI (Rio Vermelho), acontece a V Mostra de Canto Popular.

O evento é realizado pela Escola Baiana de Canto Popular, coordenada pela professora e cantora Ana Paula Albuquerque.

O produtor e gestor cultural Chicco Assis, também aluno-cantor EBCP, apresenta canções de Milton Nascimento.  Já os compositores Chico Buarque, Dorival Caymmi,  Ivan Lins, João Bosco, Djavan, Joice e Lenine, serão cantados pelos alunos-cantores Ana Karla Fragoso, Neyla Lopo, Paulo Klaudat,  Ismael Quirino, Ana Lucia Pinheiro, Carol Magalhães e Diogo Watanabe.

V Mostra Canto Popular

SERVIÇO

V Mostra de Canto Popular

Onde –  Teatro SESI (Rio Vermelho)

Quando – Dia 12 (QUARTA), 20h

Quanto – R$20 e R$10 (meia)

Realização – Escola Baiana de Canto Popular

janeiro 10, 2011 Posted by | Uncategorized | , , , , , , | Deixe um comentário

Quero ser tambor*

Tambor está velho de gritar
Oh velho Deus dos homens
deixa-me ser tambor
corpo e alma só tambor
só tambor gritando na noite quente dos trópicos.

Nem flor nascida no mato do desespero
Nem rio correndo para o mar do desespero
Nem zagaia temperada no lume vivo do desespero
Nem mesmo poesia forjada na dor rubra do desespero.

Nem nada!

Só tambor velho de gritar na lua cheia da minha terra
Só tambor de pele curtida ao sol da minha terra
Só tambor cavado nos troncos duros da minha terra.

Eu
Só tambor rebentando o silêncio amargo da Mafalala
Só tambor velho de sentar no batuque da minha terra
Só tambor perdido na escuridão da noite perdida.

Oh velho Deus dos homens
eu quero ser tambor
e nem rio
e nem flor
e nem zagaia por enquanto
e nem mesmo poesia.
Só tambor ecoando como a canção da força e da vida
Só tambor noite e dia
dia e noite só tambor
até à consumação da grande festa do batuque!
Oh velho Deus dos homens
deixa-me ser tambor
só tambor!

* José Craveirinha (1922-2003),  considerado o poeta maior de Moçambique.

janeiro 10, 2011 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

Retro-spectiva | 1ª década do século XXI

Por estes dias, minha ficha começou a cair. Estamos há menos de uma semana do final de 2010. Alguém tem noção do que isso representa? Isso mesmo. Chegamos ao fim da primeira década do século XXI – tão esperado século XXI… Vivemos 10 anos do terceiro milênio. Chegamos ao fim?

Bem, que subvertemos o apocalipse da virada do milênio, não há como duvidar. E cá estamos a esperar que Nostradamus e outros que tais, mais uma vez estejam errados com relação a 2012 – que está a cada fração de segundo mais próximo.

Uma pergunta eclodiu nesses momentos finais de 2010:

 

Além de contrariar o Armageddon, o que você fez de relevante na (para) a primeira década do século XXI, do terceiro milênio?

 

A minha costumeira reflexão de final de ano ganha outra conotação. Passo a ter necessidade de uma retrospectiva de 10 anos de (sobre-)existência. Há algumas semanas, venho garimpando a minha memória em busca de acontecimentos preciosos que mereçam constar nos anais desse período.

Mas, cada vez que a peneira vem à tona, traz tanta preciosidade, tanto fato raro, tanto episódio único… Até os acontecimentos brutos, estão emergindo já lapidados. E a cada peneirada, toneladas de risos e lágrimas.

 

Tanta gente especial chegou sem pedir licença, outras tantas partiram sem ao menos se despedir. Tanta falta, tanta presença. Tanta mudança, tanta mesmice. Tanta conclusão, tanto começo. Tanta espera, tanto correr. Tanto desistir, tanto alcançar. Tanta resposta, tanta pergunta. Tanto trabalho, tanto estudo, tanta farra. Tanta idéia, tanto projeto, tanta concretização. Tanta arte, tanta música, tanta produção. Tanta surpresa, tanta decepção. Tanta companhia, tanta solidão. Tanto amor, tanto sexo, tanto desafeto, tanta paixão. Tanta descoberta, tanto eclipse, tanto mostrar, tanto disfarçar. Tanto encontrar, tanto desviar, tanto fugir, tanto chegar, tanto escapar. Tanto amigo, tanta família, tanto colega, tanto opositor. Tanto grito, tanto berro, tanta fala, tanta voz, tanto calar. Tanto eu, tanto você, tanto nós, tanto ninguém.  Tanto tanto tanto tanto, tanto pouco, tanto tudo, tanto nada, tanto muito. Tanto viver, a cada dia, tanto morrer.

 

Não apenas para 2011, mas para todos os anos das nossas existências, desejo que tenhamos muita felicidade, sempre que necessário for, que tenhamo-nos!

 

Chicco Assis

 

PS: Estou criando uma seção especial em meu blog para registrar os acontecimentos do período de 2000 a 2010. Para que nenhum acontecimento importante para mim, para nós ou para o mundo fique de fora, peço que me enviem por email registros, fotos, textos, vídeos ou que mais couber nessa retrospectiva. Preferencialmente, constando as seguintes informações:

Data

Hora

Lugar

Pessoas envolvidas

Episódio / fato ocorrido

Conseqüências

 

dezembro 25, 2010 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário